23 abril 2014

Ricardo Costa


1993  -  2014


Vítima de acidente de viação, faleceu no passado dia 19 de Abril de 2014, Ricardo Costa. O seu funeral realizou-se no dia  22 de Abril de 2014  no Pombalinho,  onde foi a sepultar no cemitério desta localidade.

 Ricardo Costa   era funcionário da Casa do Povo do Pombalinho, onde acompanhava pessoas idosas e jovens. Era por isso também um jovem muito estimado pela população da aldeia, pelo que a sua morte foi motivo de grande consternação e centenas de pessoas estiveram presentes no funeral. 

O  "Pombalinhense"  endereça aos seus familiares e amigos e muito em particular aos seus pais, nesta hora difícil que estão a viver,  as mais sentidas condolências.





22 abril 2014

Funeral



                                                        

                                                               Hoje fui ao Pombalinho
                                                                 Assistir a um funeral
                                                                 Era um rapaz tão novinho
                                                                 Que desceu aquele coval

                                                                 Um acidente o vitimou
                                                                 Ainda na flor da idade
                                                                 Tão poucos anos cá andou
                                                                 Neste mundo em liberdade

                                                                 Era jovem e não viveu
                                                                 Como os demais da sua idade
                                                                 Porque em jovem ele morreu
                                                                 Deixando cá a sua saudade

                                                                 A despedida dos pais
                                                                 Com a sua enorme dor
                                                                 Porque ao seu filho jamais
                                                                 Poderão dar o seu amor

                                                                 Era um rapaz tão novinho
                                                                 Que desceu aquele coval
                                                                 Hoje fui ao Pombalinho
                                                                 Assistir a um funeral




JÚLIO F. ANASTÁCIO